21 de nov de 2012

[Review] 5x06 - "Through The Looking Glass and What Walter Found There"


Fringe

Além da sala de espelhos.

Rebuscando antigos elementos e os costurando aos recentes acontecimentos da trama de maneira impecável, Fringe traz nesta semana mais uma prova concreta de que seu maior diferencial em termos de ficção científica é o planejamento do roteiro. "Through The Looking Glass and What Walter Found There" segue esta linha e, por conseguinte, acaba por ser o episódio mais importante da temporada, até o momento.

E como não poderia deixar de ser, Peter Bishop é o cerne deste 5x06. E nele acompanhamos sua evolução como personagem, do primeiro até o último frame. Começamos vendo um Peter emocional que repetitivamente assisti as mensagens eletrônicas de Etta para ouvi-la e vê-la desesperadamente mais uma vez. De novo, de novo, de novo... ainda assim, não parece suficiente. 

Então, encerramos o episódio após uma sequência atípica, na qual Peter quebra o pescoço de um observador friamente. "Eu sei o que você fez. Fez um grande erro. Você não percebe o que está acontecendo com si próprio." diz o mesmo segundos antes de ser assassinado, exaltando não apenas a mudança ocorrida ao personagem, como a que ainda esta para ocorrer.

Seu diálogo com Walter, no qual este último descreve a Peter o temor de ver sua humanidade se esvair devido a reposição dos pedaços de cérebro antes removidos, figura precisamente o que vem ocorrendo com o personagem a partir do minuto em que ele decidiu implantar em si a tecnologia de observador.

Esta metamorfose de Peter, aliás, fez muita gente fomentar teorias a respeito do mesmo ser o primeiro observador. Quanto a isto, acredito que esta seria uma possibilidade a se considerar se não fosse, todavia, um paradoxo. Afinal, Peter não poderia ter se transformado em um observador sem que houvesse outro para se tomar a tecnologia em primeiro lugar. Embora, o sorriso de satisfação de Windmark ao ver Peter se teletransportar do local faça-me pensar o contrário.

E as teorias continuam. Há quem acredite inclusive que a visão de Peter ao término do episódio com vibrações holográficas em azul seja uma referência a Matrix, o que me faz considerar a ideia de que tudo em Fringe, assim como no longa, se resuma a uma grande rede de dados e que o mundo que conhecemos nestes últimos 4 anos não seja de fato o real.

Apesar de acreditar que os roteiristas não irão levar a trama para este caminho, acho curioso pensar que isto justificaria muitos dos mistérios da série, como o fato dos observadores terem aprendido uma forma de viver fora da linha comum do tempo e a manipulá-la com sua tecnologia. Não seria este os mesmo preceitos daqueles que descobrem a verdade a respeito da Matrix? Teria a raça humana descoberto a sua existência e desenvolvido habilidades de controlá-la? E mais, seria o dispositivo dos observadores um instrumento de esclarecimento da verdade? 

Apesar das teorias soarem interessantes, voltemos ao que este episódio nos forneceu de concreto. Walter deu mais um grande passo no plano de reversão a dominação dos observadores, ao mesmo tempo que nos introduziu ao Universo de Bolso, uma pequena fenda entre os universo azul e vermelho na qual as leis da física não funcionam da maneira que conhecemos. O local, assim como o título do episódio, nos remete a obra de "Alice Através do Espelho e O Que Ela Encontrou Por Lá" publicada por Lewis Carroll em 1871.

Porém, ao atravessar a sala de espelhos, o que Walter encontra não são criaturas peculiares e antropomórficas como faz Alice, e sim um ambiente disforme no qual o tempo se comporta diferentemente do nosso universo comum. Por isso, faz completo sentido utilizá-lo como esconderijo para o pequeno observador antes visto em "Inner Child", cujas habilidades empatas serão cruciais ao plano de Walter para por fim ao domínio observador.

A criança, deixada para trás com nada mais que um saco de M&Ms e um conversor de ar para elevar os níveis de monóxido de carbono do local, não parece ter sido levada por Donald por mera coincidência. Tanto quanto o fato do rádio ter sido deixado no quarto com o alterador de frequência quebrado para que o mesmo nos enviasse uma mensagem assim que o momento certo chegar. 

É o que nos aguarda os 7 últimos episódios de Fringe.

Easter eggs

Novamente, a produção de Fringe nos remete a episódios anteriores trazendo locações conhecidas do público. Exemplo disto é o prédio que contêm o portal para o Pocket Universe que pode ser igualmente visto em "Subject 9":


E não devemos esquecer que em frente ao mesmo localiza-se o prédio em que vive nossa querida Bolivia, local que visitamos no episódio 3x18 "Bloodline".

Outro easter egg notável são os símbolos que Walter utiliza como pontos de referência para encontrar a criança de "Inner Child" no Pocket Universe. Temos o cavalo marinho com a espiral de Fibonacci, a mão de seis dedos, o sapo com a letra grega Φ (Phi) e a maçã com embriões no lugar de sementes. Estes representam, porém, apenas um detalhe visual bacana da produção, já que não podem ser convertidos em letras por não possuírem os pontos de luzes que os diferenciam. 


Ademais, durante uma das gravações de Walter, o misterioso Donald faz um curta aparição ao fundo. Sou o único ou ele se parece com Sam Weiss?

Aliás, o número da frequência que aparece no rádio deixado por Donald aparenta ser o mesmo que intitula o episódio 3x06 "6955 kHZ". Curiosamente nele 15 pessoas de locais variados sofrem amnésia retrógrada devido a tal frequência. Imagino se isto esta de alguma forma ligado ao plano de Walter e se o mesmo irá usá-la como arma contra os observadores.
O Glyphs Code desta semana soletra a palavra SPLIT que traduz-se como separar, partir, dividir, fenda. Acredito que a referência esteja simplesmente relacionada a fenda encontrada por Walter e que o leva ao Universo de Bolso. O que acham?

PS.: Perdoem o atraso das últimas reviews, estive extremamente ocupado nesta semana. Tentarei ser mais pontual na próxima.

Canal de Séries, Por Gabriel Dias.

0 teorias:

Postar um comentário

.