13 de fev de 2012

"Peter tem sido um tipo de herói desde o início" - Joshua Jackson


Veja abaixo, uma interessantíssima entrevista com o ator de Fringe, Joshua Jackson para o blog PopcornBiz.


Joshua Jackson: Se Fringe For Forçada a Acabar Nessa Temporada, a Recompensa Ainda Será Satisfatória.
             Com os índices de audiência de Fringe deixando a série à beira do cancelamento, Joshua Jackson diz que está confiante de que os produtores têm um plano em mente para satisfazer o núcleo de fãs fiéis da aclamada série sci-fi no caso de um final forçado chegar nessa temporada.
Jackson, que interpreta o perdido de sua timeline Peter Bishop na cultuada e elogiada série da Fox, revelou ao PopcornBiz que os elementos mais obtusos e enigmáticos da ambiciosa, porém ocasionalmente impenetrável, 4ª temporada de Fringe finalmente virão à luz colocando histórias mais impactantes em jogo. E embora esteja esperando por mais Fringe no futuro, Jackson diz que tem todas as razões para acreditar que se a baixa audiência levar a série ao seu fim -  como os executivos da Fox relutantemente sugeriram – o time criativo estará pronto para por em prática o final que eles sempre tiveram em mente.
A cada temporada, Fringe ficou mais ambiciosa, enfrentou riscos maiores, e sempre se manteve em um contexto. Mas os índices de audiência nem sempre são iguais ao sucesso criativo. Vocês estão em um ponto em que talvez estejam começando a pensar no fim da série, para que todos tenhamos a satisfação de chegar lá, antes que os índices de audiência nos façam dizer adeus?
         O fato é que nós já tivemos essa conversa ano passado. Acho que de certa forma atingimos bons índices na 2ª temporada – esse foi nosso ano mais sólido. E eu na verdade acho que criativamente foi nosso ano mais consistente. Mas não foi nosso ano mais ambicioso – eu diria que a 3ª temporada foi extremamente ambiciosa, e muitas pessoas pararam de assistir. Então nós nos preparamos para que a última temporada talvez fosse a última. Eu não estou envolvido nessas conversas, francamente, mas eu acho que os produtores estão preparados para isso, se esse for o caso, como eles vão implementar o fim. E eles sempre disseram – e eu acredito neles – que há um final para a série. Eu acredito que você ouviu o que Kevin Reilly (presidente da Fox) disse, e eu não acho que se pode ser mais honesto e antecipado e ainda ser um executivo de estúdio. Então se esse vir a ser o fim da série, se não estamos fazendo dinheiro ou se eles estão perdendo dinheiro com a gente, eu só quero acreditar nele quando ele diz que vai conceder ao nosso pessoal tempo suficiente para implementar qualquer que seja o fim. Porque por mais que eu não queira perder meu emprego, nesse ponto o que temos que fazer como série, e como estúdio apoiando a série, é satisfazer as pessoas que estiveram tão apaixonadamente presas conosco, e estado tão fanaticamente envolvidas com a série. Nós não podemos simplesmente desaparecer numa piscada. Isso tem que ser finalizado, seja agora, seja no ano que vem, seja em 5 anos, tem que haver um final.
O que você pode dizer a essa altura sobre o rumo que a série está tomando?
         Essa é a primeira vez em Fringe – e eu disse isso mais cedo essa noite – que estamos tão profundamente na temporada e eu não tenho absolutamente nem uma pista de onde estamos indo. Porque havia um tipo de lugar natural para onde a série deveria ir ano passado para satisfazer a história que havia sido introduzida. Mas não há necessariamente um final para a história que introduzimos nesse ano – poderiam acontecer várias coisas. Então não tenho idéia.
Você sente que de alguma forma, mesmo você tendo estado ausente em boa parte do início da temporada, essa está gradualmente se tornando a temporada do Peter?
              Na verdade não. Eu sinto que a função do personagem Peter, além dele como homem, é dar um retorno aos outros personagens – e isso é algo em constante mudança, então essa é minha opinião hoje! – mas parece, passando de dois terços da 4ª temporada agora, que atualmente a temporada e a série tratam de uma mulher se encontrando. Eu sinto que a série é sobre Olivia Dunham vindo a se conhecer. Nas 1ª e 2ª temporadas eu realmente achei que era sobre a família, certo? Essa família Bizarra. Mas começamos a sair da dinâmica familiar e entrar na dinâmica romântica entre Peter e Olivia... Ano passado toda a temporada foi sobre nós, como audiência, tentando entender o que Olivia era, vendo o que ela não era – toda a dinâmica Olivia/Bolivia. E esse ano eu acho, como audiência, mas também pelo personagem dela, que é a tentativa dela se conhecer, no maior sentido, quem a verdadeira Olivia Dunham é. Então eu acho que é sobre isso que essa temporada e ultimamente toda a série são. Todas as previsões que eu já fiz sobre essa série estavam erradas, então vamos ver.
Como você visualiza Peter agora, no geral?
           Peter tem sido um tipo de herói desde o início. Peter é aquele que é trazido ao mundo desde o piloto, mas como personagem, ele é o herói. Ele é a coisa que faz a máquina funcionar, mas não é a história central da série.
Ele é como um MacGuffin vivo, de certa forma.
      E nós falamos sobre isso o tempo todo. Ele é definitivamente o MacGuffin das duas primeiras temporadas. E aí na última metade da última temporada ele era o MacGuffin como bateria da máquina, então definitivamente nós o usamos dessa forma. Porém a sua dinâmica com outros personagens está no mundo de Fringe que criamos, não precisamos conhecer a história do Peter, porque NÃO é a história do Peter. Nós precisamos saber como as pessoas estão relacionadas a Peter, e isso de certa forma os mostra de volta para si mesmos. No começo era só Peter e Walter, certo? Nós poderíamos nunca ter conhecido Walter se não houvesse Peter para permitir que ele fosse visto por dentro. E eu acho que é muito do que Peter mostra com seu relacionamento com Olivia também: você tem que ver o lado humano dela, por causa do relacionamento dela com Peter.
Peter desenvolveu uma dinâmica dramaticamente diferente com seu pai de verdade, Walternativo, em uma timelime  alternativa.
       Totalmente, e o que é interessante é que Peter está carregando a bagagem. Você sabe, em todo outro relacionamento, Peter vem mudando sua dinâmica a medida que ele passa a entender que esse não é seu povo. Mas Peter está claramente carregando a bagagem de não confiar no Walternativo de forma alguma. Então mesmo que estejamos sendo criticados – e legitimamente, eu acho – esse ano por algumas das coisas que não funcionaram e por essa temporada ter sido um pouco instável, umas das coisas mais legais que surgiram com essa nova timeline é que você pode refazer todas as dinâmicas entre os personagens. E eu acho de verdade que essa é uma grande oportunidade para a série. Isso força Peter a ser honesto consigo mesmo, que são todas dinâmicas novas, e isso abre a possibilidade do relacionamento que ele teve no fim da 2ª temporada.
Você também chegou a explorar o relacionamento que tem com sua verdadeira mãe, depois de sua mãe do universo alternativo ter tirado a própria vida.
Eu simplesmente me sinto em uma versão diferente da série, onde a história emocional de Peter é mais central para Fringe do que era, é um relacionamento tão crucial e de certa forma inexplorado: a culpa que esse cara sente pela sua mãe – que em sua timelime cometeu suicídio – ligações muito diretas ao fato que ele fugiu de casa. Ter essa mulher presente em sua vida novamente seria um momento divisor de águas. E nós exploramos a ligação entre pai e filho, mas essa ligação maternal, esse tipo de amor que pode talvez... cruzar um universo, podemos dizer. Ou cruzar uma timelime. Ser ela a primeira pessoalmente a vê-lo de verdade, eu acho que é uma grande coisa para ele.
O Observador colocou na cabeça de Olivia – a Olivia da timeline atual – que ela pode estar de frente para uma morte iminente e inevitável. Como Peter irá reagir quando ouvir essas notícias?
         Eu acho que se alguma Olivia Dunham – pontencialmente mesmo alguma ‘Bolivia’ Dunham – estivesse em perigo real, Peter estaria lá por ela. Eu não sei se uma coisa se opõe à outra, e se você realmente escuta o que o Observador diz, é incrivelmente ambíguo.
Você escreveu uma história em quadrinhos de Fringe – Qual é a diversão para você em fazer isso?
      É verdade, já está publicado online. Eu acho que a história física de verdade sai em março, eu acredito. Criativamente, é divertido simplesmente poder contar uma história, é o que eu gosto de fazer como ator. Mas por causa do personagem do Peter, por entende-lo agora na 4ª temporada, é mais como um dispositivo que reflete os outros personagens, eu sinto que existem coisas tão interessantes sobre Peter às quais fomos introduzidos e que nunca exploramos de verdade. Nós nunca entramos na vida emocional de Peter. Ele é só um cara com quem outras pessoas falam, mas não tem um amigo para dizer ‘Oh cara, estou tão encrencado porque eu fiz bla-bla-bla...’ Então, sendo esse o caso, a história em quadrinhos foi a minha chance de de certa forma escrever a grande história de Peter que eu gostaria de escrever.


0 teorias:

Postar um comentário

.